[Entrevista] Autor Marcel Trigueiro

Hoje trago para você a entrevista feita com o autor Marcel Trigueiro que escreveu o livro Cela Sem Portas (Resenha)




Suka: Fale um pouco sobre você: 
Marcel: Meu nome é Marcel Trigueiro, trabalho com computação há mais de quinze anos e tenho mestrado na área e computação de alto desempenho, que na verdade é uma área bastante abrangente. Atualmente, trabalho com sistemas de Telecom.

Suka: Você sempre quis ser escritor?
Marcel: Não. A semente surgiu quanto eu conversava com minha esposa quando éramos recém-casados, quando eu falava sobre alguns elogios que eu recebera quando eu fazia minha graduação por causa dos artigos que eu publicava numa revista da universidade. Durante a conversa, ela perguntou: “por que você não escreve um livro? ”.
Resolvi acatar a ideia. Mas antes disso, nunca havia pensado que, de fato, eu poderia ou iria querer escrever livros.

Suka: Como surgiu a ideia de escrever o livro Cela sem portas?
Marcel: Cela sem portas veio como consequência natural da necessidade de escrever um segundo livro. Já tendo escrito O próximo alvo, eu pensei se valeria à pena seguir com a série policial, mantendo alguns dos personagens (Matheus, principalmente) ou se seria melhor romper com aquela linha e escrever algo totalmente novo. Escolhi a primeira opção e resolvi investir na série.
A semente da história veio na escolha do personagem Miguel, que já havia aparecido em uma de minhas crônicas. Com essa definição (de que o estudante Miguel e o agente de inteligência Matheus fariam parte da história), as ideias para a trama começaram a surgir.

Suka: Já escreveu outros livros ou pretende escrever?
Marcel: Sim, como mencionei na resposta anterior, já escrevi O próximo alvo e pretendo escrever outros, compondo uma série policial.

Suka: Quanto tempo levou para escrever esse livro?
Marcel: Para este livro, até o produto final, creio que tenha gastado pouco mais de dois anos.

Suka: Quem te apoiou na sua ideia (editora, família, amigos)?
Marcel: Minha esposa foi minha principal apoiadora.

Suka: Fale um pouquinho sobre seu livro.
Marcel: Cela sem portas é um thriller que gira em torno do sequestro de um ônibus. Como um livro policial, tem personagens policiais que atuam para pôr fim ao sequestro.
Porém, temos em paralelo a história do personagem Miguel, um garoto como paralisia que consegue mover apenas parte de uma mão, os olhos e as pálpebras, necessitando de todo um aparato de acessibilidade para se comunicar. A história dele se entrelaça com o sequestro, já que a professora preferida dele está no veículo sequestrado. Porém, ele não tem papel passivo na história; ele não fica apenas lá, assistindo TV e esperando o desfecho do sequestro. Ele tem um papel ativo, e eu diria até decisivo.

Suka: Se quiser escrever mais alguma coisa que acredita ser interessante fique à vontade. 
Marcel: Cela sem portas é um título que alguns podem estranhar, mas eu achei interessante e o escolhi, diferente do primeiro livro (O próximo alvo), cujo título foi escolhido com a ajuda da então editora Bookmakers.
Eu revelo o porquê desse título somente nos dois últimos parágrafos do livro. Claro que o leitor pode já ter desconfiado ao chegar ao final, mas eu só dou a certeza nesses últimos parágrafos.

Agradeço ao Marcel pela parceria e por ter se disponibilizado a responder a entrevista.

[Resenha] Conto: Vestido Vermelho de Sangue


Livro: Demontale
Conto: Vestido Vermelho de Sangue
Autora: Amanda Ághata Costa

Sinopse do Livro: Era uma vez...uma rainha muito má, que queria controlar todos os reinos dos contos de fadas. Cansada dos finais felizes — principalmente das bruxas e madrastas incompetentes — resolve fazer um pacto com o bom senhor das trevas, Mefisto, para conquistar o poder de Taleland. Porém, o dissimulado demônio começa a agir sozinho, possuindo o corpo dos príncipes e transformando-os em Generais das trevas a fim de trazer o submundo aos domínios. Bestas, espíritos e criaturas infernais, começaram a aterrorizar os contos de fadas e cabe às princesas derrotar as trevas e expulsar Mefisto do corpo de seus amados, para assim salvar todo o reino. O que será que vai acontecer nesta batalha épica, onde as mocinhas terão que se tornar verdadeiras guerreiras? Conte-nos vocês! Convocamos todas as princesas dos contos de fadas para embarcar nesta aventura! Peguem suas winchesters e seus kits contra as trevas! A caçada começa agora!


Não tive o prazer de ler todo o livro, mas li esse conto e achei maravilhoso, acredito que todo o livro seja.
O conto Vestido Vermelho de Sangue, conta a história da princesa Elisa, e enquanto ela se arruma para o baile, vamos conhecendo-a, interessada pelo sobrenatural, tem o auxilio do seu tio para matar a sua curiosidade, porém sua mãe é contra isso.

"O arrepios que desce até a minha coluna agora é maior do que antes. Há algo nele que é estranho, uma espécie de brilho esverdeado no olhar que não parece ser natural. Dou um passo para trás, consentindo."

Ela será apresentada ao provável rapaz com quem deverá se casar, mas algo acontece no palácio a forçando a lutar conta o mal que está acontecendo, se ela será bem sucedida só lendo. rsrsrs
É um conto de 4 páginas com um "quê" de mistério e muito bem desenvolvido.

LITERATURA BRASILEIRA É CONTEMPLADA COM NOVO TALENTO



“O profundo sentimento dos humanos é o centro de tudo o que passo aos leitores, tentando lhes ajudar em algo”.

“Foi uma honra incomensurável participar da Bienal Internacional do Livro de São Paulo, juntamente com os maiores escritores do mundo”.

“Nunca imaginei que meus poemas fossem agradar tantos leitores. Até hoje, ainda não mensurei o tamanho de tudo isto”.

Apaixonado pelo universo das letras desde a infância, o talento do Advogado Mauro Felippe vem da alma. É nela que ele se inspira para criar seus versos que conquistaram todo o País desde o lançamento do seu primeiro livro ‘NOVE’ - Poesia, Reflexões e Crônicas. A literatura brasileira foi agraciada com a descoberta do novo escritor que iniciou seus primeiros rabiscos ainda na adolescência, mas que só resolveu lançar a sua primeira publicação há dois anos. “A literatura sempre fez parte do meu convívio familiar. Fui muito incentivado pelos meus pais desde criança e até hoje. Somos de uma família que lê muito, principalmente grandes temas literários. Credito tudo isto aos meus pais que sempre trouxeram para a nossa casa este belo horizonte, juntamente com a música”, revela Felippe.

A descoberta pelo Direito e a ideia de lançar o livro ‘NOVE’ - Poesia, Reflexões e Crônicas – vieram como Felippe costuma mencionar : “num estalo”. “O interesse pela advocacia adveio de um destino iluminado arraigado com a profissão que meu saudoso pai exercera, o de Escrivão Judicial. Após anos cursando Engenharia de Alimentos, “um estalo”, inexplicável, fez-me seguir outro caminho profissional. Com dois diplomas, optei pelo de Direito. Hoje sou uma pessoa realizada, profissionalmente. Mas, confesso que muito tenho a aprender. Sou daquele tipo incansável e apaixonado pelo que faço. Há 23 anos não vejo jamais a ideia de um dia encerrar esta carreira. É a minha vida”, conta.

Já em 2014, “outro estalo” o fez pensar em lançar um livro como sendo um troféu pelos seus 21 anos de carreira na área jurídica. Mas, o livro nada teria a ver com esta ciência e, sim, à pura poesia, aquela inspirada, profunda, do fundo da alma. “Eu lancei o meu primogênito. Inesperadamente, sem qualquer ambição, este livro deu início à explosão de vendas em todos os estados brasileiros. Hoje, já com outros lançamentos no mercado nacional, vejo o que jamais sonhara virar negócio sério”, detalha.

Com um estilo próprio, o advogado e escritor coloca em seus poemas pitadas de realismo, envolvendo temas psicológicos e filosóficos. Poemas e crônicas que chegam sem hora marcada, quase que prontas em seus pensamentos para que possam refletir sobre a sociedade e a vida cotidiana. “O profundo sentimento dos humanos (virtudes ou desgraças) é o centro de tudo o que passo aos leitores, tentando lhes ajudar em algo”, explica.

Duas novas publicações e a consagração na Bienal Internacional de São Paulo

Seguindo a linha de provocar reflexões sobre a vida em sociedade e/ou solitária, Mauro Felippe lançou, simultaneamente, dois livros em 2016, o “Ócio” e o Espectros”. Conforme o escritor, os livros chegam com textos ainda mais maduros, fortes e cujos temas são atemporais. “São dois livros completamente distintos e independentes entre si. Um não é a sequência do outro. Porém, a temática e a maneira de eu pensar para com os meus semelhantes é a mesma”, comenta.

Mauro Felippe foi convidado para expor seus novos títulos em estande próprio durante a 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, considerado o maior encontro literário do País e um dos mais importantes da Mundo. “Foi uma honra incomensurável participar da Bienal de São Paulo, juntamente com os maiores escritores do mundo. Eu, iniciante, neste mundo de letras, ao lado de muitos dos meu ídolos. Imagine um pequeno ser sair de seu pacato recanto, no Sul do mundo e, sem pretensão, estar no maior evento literário da América Latina. Sinceramente não tenho ainda palavras para descrever esta sensação. Um aprendizado sem precedentes. Um honra sem tamanho”, coloca.

Mais Bienais em 2017

E a participação do urussanguense nos maiores eventos literários do País e até internacionais não param. Para 2017, o escritor participará da monumental Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro e a também a Bienal Internacional do Livro de Pernambuco. Além disso, de acordo com Felippe, já estão em fase de amadurecimento novas surpresas internacionais e novas obras.

A grande repercussão dos textos de Mauro Felippe nunca foram sequer sonhadas ou almejadas por ele. “Exatamente no dia 09 de dezembro deste ano fez apenas dois anos que lancei o Livro “NOVE”. Lancei-o sem pretensão alguma. O mesmo caiu no gosto popular. Impossível não conter o público gentil deste País”, diz.

A aceitação e o gosto pela obra literária de Felippe impressionam e fazem surgir uma explosão de fãs e simpatizantes também nas mídias e nas redes sociais. Suas publicações já ultrapassaram mais de 100 mil curtidas nas redes sociais, em apenas dois anos. “Devo tudo isto a todos que participam direta ou indiretamente desta dádiva. Retribuo-os com meus textos e minha amizade”, destaca.

Todos os Estados brasileiros já participam das redes sociais do escritor, com vendas nas maiores livrarias do Brasil. “Nunca imaginei que meus poemas fossem agradar tantos leitores. Até hoje, ainda não mensurei o tamanho de tudo isto. Resta-me, apenas, o sincero agradecimento a todos. Prego apenas, nas minhas redes sociais e nos meus livros, tudo o que há de bom e com conteúdo aproveitável”, acrescenta.

Incentivo à leitura e apoio à entidades

Estimular as crianças à leitura. Foi com essa intenção que o escritor se propôs a colocar em prática uma publicação com a participação de alunos das escolas municipais de sua cidade natal, Urussanga-SC. O livro “Sociedade dos Poemas Vivos” é um pontapé a um projeto que está sendo levado como incentivo às crianças de todas as idades e colégios. A distribuição às bibliotecas da Região foi gratuita e novos trabalhos como este estão previstos. “A única essência deste livro é acordar as crianças para o mundo da leitura e da escrita. Sabendo ler bem, saberão escrever também muito bem. Consegui os textos com as professoras, e as crianças e seus pais somente souberam que suas obras passariam a ser imortais no dia do lançamento do livro”, conta.

Mauro Felippe também destina os recursos arrecadados com a venda de seus títulos à entidades assistenciais. “No meu primeiro livro, o “NOVE”, tem impressa uma reflexão que diz: “A caridade é anônima”. Tudo porque a caridade se faz com o coração e com a alma, e não por interesse recíproco ou de alavancar algo pretendido. Rezo que todas as entidades e pessoas consigam atingir suas metas, principalmente nas áreas da saúde e dignidade humanas. Em conseguindo, sinto-me melhor, mas em silêncio, pois obtendo isto o restante vem de carona”, conclui.

Obras do autor:
 Nove : Poesias, Reflexões e Crônicas (2014)
Ócio: Poesia e Provocações (2016)
Espectros: Poesias e Provocações (2016)
Humanos (Set./2017)

Mídias:
Instagram: @MauroFelippe_Autor
Youtube: Mauro Felippe Autor

[Entrevista] Autora Mari Scotti

A entrevista hoje é com nossa queria autora Mari Scotti



Suka: Fale um pouco sobre você: 
Mari: Sou Mari Scotti, escritora de romances, fantasia e tudo o que me der vontade de escrever. Sou louca pra escrever uma distopia (sempre quis contar isso! Haha). Tenho 36 anos de idade e só me redescobri escritora há pouco mais de cinco. Amo ler, cantar, tocar teclado e escrever. Sou evangélica por escolha e não imposição. E amo a minha sobrinha Rebeca! 

Suka: Você sempre quis ser escritora?
Mari: Descobri esse desejo muito nova, depois que li um livro que minha mãe estava escrevendo (Uma janela fechada). Ela se tornou a minha heroína e, desde então, comecei a tentar. Aos vinte e oito foi que percebi que esse desejo permanecia dentro de mim e comecei a arriscar. Não parei mais.

Suka: Como surgiu a ideia de escrever o livro Montanha da Lua – A Maldição dos Hallinson?
Mari: A trama de Montanha da Lua surgiu depois que eu e uma amiga escrevemos parte do prólogo (a escritora Fernanda Reis). Nossa primeira ideia era uma espécie de releitura de Chapeuzinho Vermelho, mas não conseguimos mais tempo para escrever e eu estava apaixonada pelo gênero de época, uma coisa puxou a outra e a trama da Mical e de um homem viúvo amaldiçoado surgiu e tudo se tornou romance de época.

Suka: O Segundo livro da Família Hallinson – A Noiva Devota, foi lançado recentemente, você já está escrevendo um terceiro livro ou paramos por ai?
Mari: Estou com o roteiro do terceiro livro praticamente pronto, mas como ele acontece ao mesmo tempo em que o segundo, algumas cenas se encontram e preciso ser bem detalhista para não cometer falhas. Mas, devagar ele está ganhando páginas. 

Suka: Quais outros livros você já escreveu? Ou pretende escrever?
Mari: Publicados eu tenho 8 livros. Pretendo publicar mais três este ano e jamais parar. Então, não tenho como mensurar quantos ainda escreverei. Espero que centenas até morrer.

Suka: Quanto tempo levou para escrever o livro A Noiva Devota?
Mari: Três meses mais ou menos. Depois precisei lapidar, revisar, reajustar e etc.

Suka: Quem te apoiou na sua ideia (editora, família, amigos)?
Mari: Se compreendi bem a pergunta, a ideia é sobre ser escritora. Bom, a minha família me apoiou muito, principalmente minha tia Célia. Ela foi quem me patrocinou com o primeiro livro e sou muito grata por isso.

Suka: Fale um pouquinho sobre seu livro.
Mari: A noiva devota é um romance que centra na história de Samuel Hallinson, o segundo varão em uma casa com um título e uma herança forte relacionada ao amor. Também conta a história de Rosalina Acker que é a segunda donzela de sua casa e ainda possui uma deficiência de nascença, o que a torna a filha menos importante. No entanto, ela não guarda rancor ou distrata os outros por se sentir inferior, o oposto, trata a todos com devoção, carinho e cuidado. Ela é apaixonada por Samuel Hallinson desde a meninice. Apesar de ser devotada ao noivo, ela sabe que ele não deseja o matrimônio e é capaz de abrir mão de sua honra para fazê-lo feliz. Nessa jornada, Rosalina terá de ser paciente, firme, delicada e forte ao mesmo tempo. Terá de pensar no outro antes de si mesma e suportar a indecisão de Samuel em relação a tudo o que o cerca. E, mesmo com uma personalidade tão altruísta, não será tão fácil decidir se deixa o amor de sua vida livre ou o força a permanecer ao seu lado.

Suka: Se quiser escrever mais alguma coisa que acredita ser interessante fique a vontade. 
Mari: Obrigada pela oportunidade de falar um pouco sobre a minha história e livros. Desejo todo o sucesso ao seu blog. Beijooo.


Quero agradecer a Mari pela entrevista!
E não deixem de conferir as resenhas

[Resenha] O Corvo Negro - Trilogia das Plumas


Livro: O Corvo Negro
Autor: Lucas de Lucca
Páginas: 360
Ano: 2016

Sinopse: Ukel mora na capital do reino de Gor em um mundo fantástico repleto de magia e armas mundanas em duelo, mas ele é apenas uma criança. Após as guerras arcanas, a cidade onde vive recebe refugiados do norte e a vida do garoto muda ao conhecer Merienir, uma elfa de cabelos prateados refugiada, e Farem, um órfão de Gor.O Corvo Negro mostra a escalada de Ukel no mundo do crime até se tornar um corvo, um caçador de monstros e malfeitores.Traição, sangue e malícia guiam o caminho do jovem em uma trilogia empolgante onde o protagonista não passa de um egoísta sem redenção.

Esse é o livro que prende nossa atenção do inicio ao fim e nos deixa ansiosos pela continuação. É também um livro que nos faz gostar de um personagem super frio.
Ele vai contar a história de Ukel, um garoto simples, que mora com sua mãe, até que um dia ele vai observar a chegada dos refugiados e acaba conhecendo Faren, um garoto órfão que se vira como pode.
Só que acaba acontecendo um ataque a esses refugiados, Ukel e Faren vão ajudar uma jovem elfa chamada Merienir, que acabou de perder seus pais e querem matá-la.
E deste ponto em diante os três tornam-se amigos e com o passar do tempo, eles se tornaram o clã de ladrões mais temidos até pela guarda real.
Só que um dia a sorte não esteve a favor de Ukel e ele acaba sendo preso e levado até as celas do castelo e mantido lá por alguns dias, até que o rei irá visitá-lo em sua cela com uma proposta de trabalho, cobrar o dinheiro aos cidadãos de Gor, ele acaba aceitando e se torna um cobrador de impostos e nas horas vagas um ceifador junto com seus amigos.
Ukel começa a modificar e as coisas começam a mudar. O livro vai contando toda a trajetória de Ukel, com sua personalidade fria e calculista, cheio de suspense, mistérios e algumas paixões. Não sabemos muito o que esperar das próximas atitudes dos personagens e isso é o que instiga na leitura.


É um livro que eu recomendo
Se quiser adquirir é só entrar em contato com o autor através deste link (Aqui)

[Proibido para Menores - Resenha] Um Casamento Quase Real


Livro: Um Casamento Quase Real
Autora: Míddian Meirelles
Páginas: 498
Ano: 2015


Sinopse: Stephanne di Montalcino, é uma jovem recém-formada na Universidade de Nova York, onde viveu nos últimos quatro anos. Ela mesma se considera mimada, impulsiva e dona de um péssimo temperamento. Viveu cercada de luxo, adora uma balada e tem uma compulsão por compras. Mas o que a diferencia das outras jovens? Basicamente o fato dela ser a princesa de um rico pequeno Pais Europeu, a Campavia.
Théo Caravaggio, é um rapaz que foi criado dentre as leis rígidas da nobreza Campaviana. Depois de duas graduações em Cambridge, como braço direito do Primeiro-Ministro do seu país, seu pai, ele planeja seu próprio futuro político.
E agora os dois vão descobrir que seus destinados foram traçados, antes mesmo de nascerem.

Esse livro merece uma única palavra: FANTÁSTICO! É uma história completíssima que nos deixa com vontade de mais.
A história irá se passar em Campavia, um pequeno país regido pela monarquia e irá girá em torno da família real.
Narrado por dois personagens, a principio, iremos conhecer Stephanne, que foge de todos os padrões para uma princesa, metida sim! Mas com a leitura passaremos a amá-la.

"Sou filha única. Mimada. Egoísta. Não sei dividir e muito menos receber um "não" como resposta. As coisas são sempre como quero e eu simplesmente não aceito que seja diferente. Eu dou a última palavra."

Steph, assim como ela é chamada, será mantida por longos anos longe dos olhos do reino e mídia, pois o rei decide que assim é o melhor para ela. Só que é chegado o dia dela assumir seu posto de princesa, então ela voltará a Campavia e a partir daí muitos princípios que ela havia criado para si, serão modificados.
A segunda narrativa é feita por Theodore Caravaggio, de família nobre, amigo de Stephanne desde a infância, mas as circunstâncias fizeram com que se afastassem. ele ocupa o cargo de assessor do Primeiro Ministro de Campavia, é um garanhão, além de gato, mas mesmo assim é super centrado.

"Independente do meu estado de espírito, estamos nessa vida só de passagem, ainda assim nada nos impede de passar desfilando."

O oposto de Steph e com a volta dela parece que seu mundinho virará de pernas pro ar, pois é ele que terá que auxiliá-la sobre suas obrigações de princesa.
Mas não é apenas isso, o livro tem todo um mistério envolvendo as principais famílias campavianas e com o decorrer da leitura seremos surpreendidos com o rumo que a história vai tomando.
Personagens são inseridos na história de maneira maravilhosa. Ah! Sem falar que as cenas hots são intensas e empolgantes.
O livro todo é muito bom!!!

Quer adquirir o livro? Acesse Aqui!

[Resenha] A Promessa do Tigre


Livro: A Promessa do Tigre
Autora: Colleen Houck
Páginas: 128
Ano: 2014

Sinopse: Mais de 300 anos antes de Kelsey Hayes surgir na vida de Ren e Kishan, uma jovem cruzou o caminho dos príncipes. Seu amor por um deles mudou o curso da história e o destino da família Rajaram. Criada longe dos olhos da corte, isolada do convívio no castelo, Yesubai luta para suportar os maus-tratos do pai e manter em segredo suas habilidades mágicas. Lokesh é um poderoso e cruel feiticeiro que foi capaz de assassinar a própria esposa porque ela lhe deu uma filha em vez de um filho. Ao completar 16 anos, Yesubai é surpreendida por um anúncio do rei. Procurando fortalecer suas relações diplomáticas, o nobre acredita que um casamento entre a filha de Lokesh, comandante de seu exército, e um pretendente de algum dos reinos vizinhos será uma boa estratégia para diminuir os conflitos na região. A jovem recebe a notícia com alegria. Pela primeira vez ela enxerga um fio de esperança, a perspectiva de escapar do controle do pai e de levar uma vida fora do confinamento de seus aposentos. Mas esses não são os planos do feiticeiro. Ele vê no iminente casamento de Yesubai uma oportunidade de conseguir ainda mais poder e não poupará esforços para atingir seus objetivos sombrios. A Promessa do Tigre conta a origem da história dos príncipes Ren e Kishan e os acontecimentos que levaram às aventuras da aclamada série A maldição do Tigre.

Nesse Livro iremos conhecer a história de Yesubai, essa jovem perdeu a mãe logo que nasceu e foi criada e amada pela sua babá Isha.
Yesubai era uma garota bonita e com o passar dos anos foi descobrindo que tinha o poder de se curar e ficar invisível e só ela e Isha que sabiam. Ela temia ao pai Lokesh, um homem poderoso e que conseguia tudo que queria.
Lokesh seria o sucessor do rei, pois o mesmo não teve filhos, e o rei decidiu por conta própria que daria a mão de Yesubai a fim de unificar dois reinos, aquele com a melhor proposta.
Claro que Lokesh não gostou da ideia e reverteu isso a seu favor e deu a mão de sua filha ao jovem príncipe Ren, mas Yesubai se apaixona pelo irmão Kisham.
Ter os dois aos pés da filha era tudo que Lokesh queria e o destino da família Rajaram está em suas mãos.

Quer adquirir o livro? Acesse Aqui