[Filme] Extraordinário

Confesso que ainda não li o livro, pois sempre falaram tão bem dele e eu criei tanta expectativa que fico com medo de ler e me decepcionar. 
Mas resolvi assistir o filme.
E...
Gente!!! 
Que história linda!
Me fez rir, chorar, te raiva de alguns personagens..
Mas é uma obra linda e que eu recomendo a todos, independente da idade.
Confesso que agora fiquei mais curiosa com o livro pra saber o quanto o filme foi ou não fiel a ele.


Sinopse: Auggie Pullman (Jacob Tremblay) é um garoto que nasceu com uma deformação facial. Pela primeira vez, ele irá frequentar uma escola regular, como qualquer outra criança. No quinto ano, ele irá precisar se esforçar para conseguir se encaixar em sua nova realidade.
Elenco: Jacob Tremblay, Julia Roberts, Owen Wilson
Duração: 114 min
Diretor: Stephen Chbosky
Gênero: Drama 
Classificação: 10 Anos

Trailer



[Unboxing] Papel na Caixa - Festa #Dezembro

Sobre a box:

É clube de assinatura de itens de papelaria. E você pode escolher entre os planos "VOU COM CALMA!" e receber por apenas um mês ou "RESISTIR PRA QUÊ?",

garantindo sua entrega todos os meses.

Ao assinar, você receberá em sua casa uma caixa com 6 a 12 itens
escolhidos especialmente para você. São canetas, lápis, borrachas, post-its, bloco de notas, clips, marcadores, mimos entre outros.


Tema do mês de Dezembro



Confere o vídeo:


[Resenha] Vidas Muito Boas


Livro: Vidas Muito Boas
Autora: J. K. Rowling
Páginas: 80
Ano: 2017
Comprar: Físico

Sinopse: “Como podemos aproveitar o fracasso?” “Como podemos usar nossa imaginação para melhorar a nós e os outros?”. J.K. Rowling responde essas e outras perguntas provocadoras em Vidas muito boas, versão em livro do famoso discurso de paraninfa da autora da série Harry Potter na Universidade de Harvard, que chega às livrarias brasileiras no dia 7 de outubro. Baseado em histórias de seus próprios anos como estudante universitária, a autora mundialmente famosa aborda algumas das mais importantes questões da vida com perspicácia, seriedade e força emocional. Um texto cheio de valor para os fãs da escritora e surpreendente para todos que buscam palavras inspiradoras.
Esse livro contém o discurso de J. K. Rowling quando foi convidada para ser paraninfa na universidade de Harvard.
E ela trás dois temas, as vantagens do fracasso e a importância da imaginação. 

"A pobreza acarreta medo, estresse e às vezes depressão; significa mil humilhações e pequenas dificuldades. Sair da pobreza por seus próprios esforços - isto é motivo de orgulho, mas a pobreza em si só é romantizada pelos tolos."

De forma leve, ela conta como foi sua escolha de curso, seu medo de fracassar e como a imaginação ajudou a mudar o rumo da sua história, fala sobre as amizades verdadeiras e humildade diante das situações.

"É impossível viver sem fracassar em alguma coisa, a não ser que vocês vivam com tanto cuidado que acabem não vivendo de verdade - e, neste caso, vocês fracassam por omissão."

Creio que esse discurso impactou os presentes, já a admirava e conhecer uma mínima parte dela, só aumentou a minha admiração.

[Unboxing] Clube Casa Geek #Novembro

Clube de decoração onde eles enviam uma caixa misteriosa com 4 produtos de decoração, conforme o tema que combina com o seu estilo, são quatro estilos Geek (minha assinatura), VintageCriativa e a Temática.


Confiram o que veio na minha caixa de novembro:


Que fazer assinatura? Acesse Aqui

[Resenha] Querubins - A Rebelião da Luz


Livro: Querubins - A Rebelião da Luz
Autora: Martha Ricas
Páginas: 230
Ano: 2017
Comprar: Físico | E-book

Sinopse: Rebeliões são perigosas, letais e incontroláveis. Elas revelam a verdadeira natureza daqueles que participam e dos que se opõem ao levante. Porém, uma vez iniciado, um conflito sempre divide lados e implica em escolhas.Conheça mais sobre a guerra que derrubou os anjos do céu e entre na batalha interna travada por uma garota que desistiu de sua vida.Salatiel é um querubim guerreiro tido em grandes honrarias, garantindo para si o título de Dourado. Contudo, suas habilidades em batalha aliadas ao intelecto criterioso acabam chamando a atenção de um dos querubins mais respeitáveis do Céu: Lúcifer. Forçado a ser treinado pelo obscuro mestre, Salatiel acaba deparando-se com opções que podem selar seu destino pela eternidade.Hana Toshida é uma jovem cujas decisões a levaram ao que, para ela, é o fim da linha. Sem motivos para continuar vivendo, a garota leva seus dias pensando em quanto sua morte não faria diferença para ninguém além dela mesma. Até que um estranho vizinho cruza seu caminho com uma história para contar.Querubins – A rebelião da luz é uma aventura épica dividida entre o Céu e a Terra, onde palavras ferem tanto quanto espadas e pensamentos conduzem a caminhos sem volta. Passeie pelos quarteis dos querubins, conheça a biblioteca do Pavilhão de Luz, ande pelas ruas da Tóquio contemporânea.Entretanto, nunca se esqueça: estamos em guerra. Qual lado você escolherá? A vida humana ainda teria algum valor?​

Terceiro livro da autora Martha Ricas e posso afirmar sem medo de errar que é tão maravilhoso quanto os dois primeiros.
Em Rebelião da Luz, Salatiel é que será enviado a Terra em missão, dessa vez na cidade de Tóquio.
Enquanto, ele ajuda a Atalaia Hana Toshida a se encontrar, iremos conhecendo a própria história de Salatiel. 

"Talvez passear pelas memórias de outra pessoa fosse mais fascinante e seguro."

Sal teve como mestre Lúcifer, antes dele tentar tomar o lugar de Deus, e ele passará por provações em sua vida, onde deverá optar pelo bem ou pelo mal e enquanto ele apresenta sua história  para Hana, também vamos conhecendo a dela.

"A questão é que a vida não para, mesmo que se tente a todo custo fazê-la desacelerar e as obrigações deixarem de existir. Ela seguirá, mesmo sem que perceba e cada ação terá seu preço, cada palavra registrada e caminho tomado fechado para retorno."

Filha de pais ricos, não tinha a menor atenção e carinho com ela, sendo rejeitada por sua aparência e falta de progresso na escola, seus pais sempre colocava o trabalho em primeiro lugar.
Até que Hana terá sua vida modificada quando sua prima Nayu irá morar em sua casa após perder ps pais e fará mudanças em Hana, incentivando-a a consumir drogas, álcool e até mesmo pratica a bulimia.

"Compreendi nossa natureza falha e percebi que apesar dela, ainda estávamos aqui e isso deveria ter um propósito. Nossos erros nos afastaram do bem, mas com força de vontade e arrependimento sincero, talvez nunca fosse tarde para voltar à essência da bondade."

Todas as escolhas tem consequências, tanto para humanos, quanto para querubins. 
Mais um livro que tirou lágrimas e me fez refletir.

[Lançamento] Jornada ao Presságio Vermelho

Mais um lançamento da editora Autografia. Em breve resenha aqui no blog e no canal.


Sinopse:

As grandes sagas de fantasia épica como O Senhor dos Anéis e As Crônicas de Gelo e Fogo trouxeram um legado para a literatura nacional, inspirando muitos autores a escreverem suas próprias obras neste estilo. Carvalho Rodrigues, em Jornada ao Presságio Vermelho, traz uma nova história, do protagonista Leonel. O rapaz consegue escapar de uma seita religiosa fanática, mas acaba libertando uma criatura assassina que aterroriza sua região Arrhênia. 
Preocupado com a situação e convivendo com a culpa pelo que aconteceu durante sua fuga, o jovem ganha de um mago a espada Lamento de Fafnir, como uma oportunidade de se redimir. Em mãos da arma cujo poder vem do coração de sete dragões, Leonel começa sua jornada, conhecendo outros aventureiros, todos com o objetivo de destruir o Alce Negro. A única forma de conseguir o feito e levar paz ao reino de Arrnhênia é o Presságio Vermelho. 
O livro Jornada ao Presságio Vermelho é intenso, envolvente e diferente. Indicado a todos aos amantes de uma boa aventura, leva o leitor a uma atmosfera que tira o fôlego a cada página virada. A escrita fluida de Carvalho Rodrigues é instigante e o autor produziu uma obra para ficar na história da literatura de fantasia épica nacional.


Quer adquirir o livro? Acesse

Livros Lidos em 2017

Primeiro post do ano!
Primeiramente quero desejar muita paz, saúde, amor e sucesso em 2018 para todos vocês.

Essa postagem é sobre minhas leituras de 2017, foram 109 livros, consegui bater minha meta e até mesmo ultrapassá-la. Confesso que todas as minhas leituras esse ano que passou foram maravilhosas, não tenho do que reclamar. 

Confiram o vídeo:


[Resenha] Sonata de Auschwitz


Livro: Sonata em Auschwitz
Autora: Luize Valente
Páginas: 376
Ano: 2017
Comprar: Físico


Sinopse: Um bebê nascido nas barracas de Auschwitz-Birkenau, em setembro de 1944. Uma sonata composta por um jovem oficial alemão, na mesma data, também em Auschwitz. Duas histórias que se cruzam e se completam. Décadas depois, Amália, jovem portuguesa, começa a levantar o véu de um passado nazista da família a partir de uma partitura que lhe é revelada por sua bisavó alemã. A dúvida de que o avô, dado como morto antes do fim da Segunda Guerra, possa estar vivo no Rio de Janeiro, a leva a atravessar o oceano e a conhecer Adele e Enoch, judeus sobreviventes do Holocausto. A ascensão do nazismo na Alemanha, culminando na fatídica Noite dos Cristais, a saga dos judeus húngaros da Transilvânia, os guetos na Hungria e Romênia, os trens para Auschwitz, os mistérios acontecidos no campo de extermínio da Polônia e o pós-guerra numa casa cheia de segredos num lago de Potsdam oferecem os trilhos que Amália percorrerá para montar o quebra-cabeça."Com descrições de tirar o fôlego e diálogos que revelam o que há de melhor e mais cruel no ser humano, ninguém ficará indiferente ao ouvir esta Sonata em Auschwitz." (Francisco Azevedo, escritor)Luize Valente é uma escritora cujas tramas nascem de sua imaginação privilegiada e ganham corpo com pesquisa histórica rigorosa e pesquisa de campo. Elaborada com extrema sensibilidade e riqueza investigativa, sua narrativa envolve o leitor em mistério, suspense e profundos sentimentos e sensações."Sonata em Auschwitz" (2017) é o terceiro romance histórico da autora, depois de "O Segredo do Oratório" (2012) e "Uma Praça em Antuérpia" (2015), todos publicados pela Editora Record. Traz uma instigante história saída do campo de extermínio nazista, uma saga em pleno Holocausto. Em tempos extremos, reflete também sobre os erros que se repetem, os preconceitos que permanecem, as guerras que nunca acabam e os atos de resistência e a arte que sempre surgem em meio aos escombros.CURIOSIDADES1) Este romance é uma ficção baseada em fatos históricos, dados reais e depoimentos de sobreviventes. A autora teve um encontro marcante com a sobrevivente judia Maria Yefremov, hoje com mais de 100 anos, vivendo no Rio de Janeiro, e desse encontro partiu a inspiração para a escrita da ficção. Maria teve um bebé em Auschwitz em 1944 e nunca soube o que aconteceu com ele.2) A Sonata que dá título ao romance ganhou forma no plano real enquanto o livro era escrito. O sobrinho da autora, o jovem maestro Antonio Simão, compôs a “Sonata para Haya” tendo a mesma idade do personagem Friedrich, 24 anos. Um instigante diálogo entre ficção e realidade. 3) Como surpresa para o leitor mais atento, existe uma misteriosa ligação deste novo romance com o anterior, "Uma Praça em Antuérpia".

Conheceremos a história de duas famílias que irão se cruzar durante e pós guerra, por conta de Friedrich Schmidt.
Seu pai era um dos "babões" de Hitler e Friedrich foi convocado para ser piloto porém, devido a um acidente ele foi proibido de pilotar e acabou tendo que trabalhar em terra.
Mas, por trás do capitão existe um homem bondoso e apaixonado pela música, com uma família que ele pouco convive e seu filho Hermann pouco sabe sobre o pai.


"Não são as coisas que poderiam ter sido diferentes, são as pessoas... As pessoas é que poderiam ter sido diferentes!"

Hermann não tem contato com sua vó Frida e sente vergonha de seu pai, saiu da Alemanha aos 5 anos e foi morar em Portugal, casou-se, formou-se me direito, lutou contra o regime de Salazar e nunca falou do seu passado para os seus filhos Amália e Miguel.
Só que Amália escuta uma ligação dele com sua bisvaó Frida e fica curiosa sobre seu passado, sobre  que aconteceu a seu avô.
Quem foi Friedrich? O que ele fez?
Paralelo a isso, iremos conhecendo a história de Adele, uma jovem judia que tinha uma vida agradável antes de Hitler, seu pai era médico e ela vivia uma vida feliz, mas quando as perseguições começaram sua vida ficou recheada de perdas, porém antes de ser enviada para os campos de concentração ela casou e ficou grávida.
E é ainda durante a gravidez que ela e sua família será levada para Auschwitz e terá uma vida de  tristeza, fome, desespero, medo e dor. Mas a jovem Adele carrega em seu vente uma criança e isso faz com que ela não perca as esperanças.


"Se existiu Auschwitz, é sinal de que Deus não existe."Só havia duas formas de se ter estado lá. Como prisioneiro ou como algoz."

O livro irá intercalar entre o presente de Amália e suas buscas por respostas, o passado de Friedrich contada em alguns momentos por Frida e a vida de Adele que deu a luz a sua filha Haya dentro de Auschwitz e nunca perdeu as esperanças.
O que aconteceu a Adele? A Haya? Ao Friedrich? Por que Hermann afastou-se da família? O que Amália sente ao conhecer a sua verdadeira história? O verdadeiro passado da sua família?


"O ser humano não quer saber o que de fato acontece na guerra. Se quisesse mesmo, aprenderia e não repetiria. Cada guerra é enterrada quando começa outra para fazer esquecer a que antecedeu. O passado vira História. Cada geração vive batalhas presentes ou guerras pessoais."

São algumas perguntas que serão respondidas no decorrer da leitura dessa história emocionante e envolvente que me fez chorar em vários momentos.


[Resenha] O Homem Revoltado


Livro: O Homem Revoltado
Autor: Albert Camus
Páginas: 399
Ano: 2017
Comprar: Físico

Sinopse: As obras de Albert Camus destacam em geral dois conceitos: o absurdo e a revolta. Em “O homem revoltado”, o autor faz vários questionamentos de ordem filosófica. Coloca-se a favor da liberdade humana e da dignidade do indivíduo e contrário ao comunismo, aos regimes totalitários e ao terrorismo, pois incitam a revolta humana, os assassinatos e a opressão. Muito mais do que um ensaio, é uma obra contra os crimes de Estado, com destaque para aqueles ocorridos durante o regime stalinista. Segundo Camus, não há crime que possa ser justificado em nome da História. O autor mostra toda a sua personalidade por si só revoltada, com o objetivo da superação e da procura de um caminho, já que termina de escrever o livro alguns anos após o fim da Segunda Guerra Mundial. Apesar da morte precoce, Albert Camus deixou um legado para a sociedade e para cada indivíduo, iluminando os problemas da consciência humana.
Mais um livro de Camus para refletir, de leitura intensa, é necessário conhecimentos de autores como Nietzsche, Dostoiévski, Sade e outros.


"O homem não obtém ainda a certeza, mas apenas a vontade de certeza, o que não é a mesma coisa."

Ele nos trará um ensaio a respeito da revolta do homem, iniciando-se com as reflexões baseadas nos filósofos citados anteriormente e mais a frente ele falará sobre as revoltas do século XIX e inicio do século XX. 


"Quando a revolução é o único valor, não há mais direitos; na verdade, só há deveres."

É um livro para pessoas que estão ativas na sociedade, políticos, sociólogos, filósofo ou aqueles que gostam de mergulhar nesse mundo da filosofia. 

[Resenha] A Peste


Livro: A Peste
Autor: Albert Camus
Páginas: 287
Ano: 2017
Comprar: Físico

Sinopse: De um dos mais importantes e representativos autores do século XX e Prêmio Nobel de Literatura.
Romance que destaca a mudança na vida da cidade de Orã, na Argélia, depois que ela é atingida por uma terrível peste, transmitida por ratos, que dizima a população. É inegável a dimensão política deste livro, um dos mais lidos do pós-guerra, uma vez que a cidade assolada pela epidemia lembra a ocupação nazista na França durante a Segunda Guerra Mundial. A peste é uma obra de resistência em todos os sentidos da palavra. Narrado do ponto de vista de um médico envolvido nos esforços para conter a doença, o texto de Albert Camus ressalta a solidariedade, a solidão, a morte e outros temas fundamentais para a compreensão dos dilemas do homem moderno.

Ler A Peste é se deparar com mais uma narrativa filosófica e reflexiva proposta por Camus. A história desse livro se passará em Orã, uma cidade como outra qualquer, que segue sua rotina sem surpresas até que um dia, o Dr. Bernard Rieux, irá perceber que estão aparecendo muitos ratos, mortos ou vivos, e paralelo a isso pessoas estão adoecendo e tornando a cidade um caos, uma doença até então desconhecida que trará mortes e tristezas. A Peste Bubônica.

"Entretanto e o mais importante é que, por mais dolorosas que fosse essas angústias, por mais pesado que estivesse esse coração, apesar do vazio, pode-se dizer efetivamente que esses exilados, na primeira fase da peste, foram privilegiados."

Refletiremos sobre medo, dor, morte, compaixão, solidariedade, questões de ordem existencial.
Esse livro foi interpretado por críticos como uma alegoria ao nazismo. E perceberemos durante a leitura referências a ditadura.

"Enquanto a peste, pela imparcialidade eficaz com que exercia seu ministério, deveria ter reforçado a igualdade entre nossos concidadões pelo jogo normal dos egoísmos, ao contrário, tornava mais acentuado no coração dos homens o sentimento de injustiça. Restava, é bem verdade, a igualdade irrepreensível da morte, mas essa ninguém queria."

Um romance de cunho político com uma escrita leve, sarcástica e envolvente.